IPÊ participa de seminário da campanha “contra agrotóxicos e pela vida”

18 Jul, 2014

IPÊ participa de seminário da campanha “contra agrotóxicos e pela vida”

“Os agrotóxicos e aditivos químicos utilizados no processo de produção, industrialização e de armazenamento dos alimentos fazem com que a humanidade ao se alimentar esteja se contaminando com produtos cancerígenos, mutagênicos e tóxicos”, afirma Elisa Wandelli da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária do Amazonas (Embrapa). Pensando nisso, a Rede Maniva de Agroecologia (REMA) e o Sindicato dos Trabalhadores da Pesquisa Agropecuária promoveram, no último dia 14 em Manaus, o II Seminário ‘Contra os Agrotóxicos e Pela Vida’.

Após a revolução verde a forma como a humanidade tem produzido e consumido seus alimentos tem causado perda da agrobiodiversidade, contribuído para as mudanças climáticas e para a degradação do solo, do ar e dos recursos hídricos, além de provocar a destruição de povos e culturas locais e tradicionais e a deterioração da saúde humana.

O evento contou com a participação de agricultores beneficiados com o trabalho do IPÊ, que foi um dos parceiros para a realização do seminário. Ao lado do instituto na coordenação do evento, estiveram órgãos como Associação dos Produtores Orgânicos do Amazonas (APOAM), Rede Maniva de Agroecologia (REMA)  Instituto Nacional de colonização e Reforma Agrária (INCRA);  Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz); Associação Brasileira de Agroecologia (ABA); Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional Sustentável da Assembleia Legislativa do Amazonas (Caama); Núcleo de Agroecologia do Amazonas /UEA; Rede Maniva de Agroecologia (REMA); “Campanha permanente contra os agrotóxicos e pela vida”, que envolvem diversas outras instituições, além destas.

Elisa Wandelli foi uma das coordenadoras do seminário que se estendeu durante todo o dia e teve como objetivo propiciar à sociedade o diálogo com os tomadores de decisões e legisladores sobre a implantação e a execução das políticas públicas relacionadas à promoção da agroecologia e da soberania alimentar em contraposição aos sistemas produtivos baseados no uso de agrotóxicos e reducionistas culturalmente e ecologicamente. Para ela, a programação ajudou na sensibilização sobre os malefícios dos agrotóxicos e divulgou conhecimento e experiências agroecológicas, além de discutir .a execução de políticas públicas de extensão rural, pesquisa, ensino e sensibilização, controle, monitoramento e fiscalização do uso e consumo de agrotóxicos no Amazonas.

Ela destacou ainda que já existem formas de consumir alimentos livres de agrotóxicos. “A ciência e agricultores familiares do mundo todo já apresentaram a agroecologia como um conjunto de conhecimentos e formas de usar a terra capaz de alimentar o mundo com alimentos saudáveis e ao mesmo tempo manejar adequadamente os recursos naturais, valorizar as culturas locais para melhorar a qualidade de vida da humanidade e fazer com que o planeta tenho um destino diferente da degradação completa”, disse ao ressaltar a importância da agroecologia.

Agricultor da Comunidade São Sebastião, no baixo Rio Negro, Antônio Vieira dos Santos, 48, participou do evento que reuniu agricultores especialistas da área. Para ele, a oportunidade serviu para reafirmar algumas questões. “Eu consegui aproveitar bastante porque já tenho contato com isso aqui na comunidade. O seminário serviu pra reforçar aquilo que já está sendo feito por nós com IPÊ e outros parceiros”. Antônio considera que mais experiências como essa são as melhores alternativas. “A gente aprende mesmo na prática, mas é bom ouvir também”, lembrou.

As atividades do dia 14 de julho, no Auditório Senador João Bosco, na Assembleia Legislativa do Amazonas.

  • Para provocar discussões foi apresentado “O Veneno está na Mesa 2” – o documentário do aclamado diretor Silvio Tendler, que além de denunciar os malefícios dos agrotóxicos, apresenta experiências agroecológicas da agricultura familiar para a produção de alimentos saudáveis.
  • Mesa redonda com legisladores, secretarias estaduais e municipais e órgãos de controle e monitoramento de agrotóxicos intitulada : Implantação, gestão e execução das políticas públicas relacionadas a promoção da agroecologia, da soberania alimentar e do controle do uso e contaminação por agrotóxicos. Para esta mesa redonda foram convidados a Frente Parlamentar de Agroecologia, a Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional Sustentável da Assembleia Legislativa do Amazonas (Caama), a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável , a Gerência de Controle Agropecuário (Gcap) IPAAM – SDS , a Secretaria Estadual de Produção Rural (SEPROR) , a Secretaria Municipal de Produção e Abastecimento, o Departamento de Vigilância Sanitária (DEVISA/FVS) e como promotor máximo das ações de interesse público, o  Ministério Público Federal (MPF).

  • À tarde os participantes realizaram uma sistematização das ações necessárias  e que não estão sendo implementadas pelos órgãos para promover a agroecologia, a soberania alimentar, o fortalecimentos dos agricultores familiares e a qualidade de vida e conservação ambiental no Amazonas.

 

 

Agricultores das comunidades que recebem o trabalho do IPÊ participaram do seminário. Foto: Campanha contra agrotóxicos pela vida

Agricultores das comunidades que recebem o trabalho do IPÊ participaram do seminário. Foto: Campanha contra agrotóxicos pela vida

Moradores das comunidades do Rio Cuieiras, que recebem o trabalho do IPÊ, participaram da atividade. Foto: Campanha contra agrotóxicos e pela vida

Moradores das comunidades do Rio Cuieiras, que recebem o trabalho do IPÊ, participaram da atividade. Foto: Campanha contra agrotóxicos e pela vida

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>