IPÊ, Semmas e Setrab entregam estufas na Agrovila Tarumã

9 Apr, 2015

IPÊ, Semmas e Setrab entregam estufas na Agrovila Tarumã

Quando o projeto Ecopolos Amazônia XXI, desenvolvido pelo IPÊ, chegou ao Baixo Rio Negro, o artesanato logo se apresentou como uma das alternativas para geração de renda dos ribeirinhos. Em mais uma forma de fortalecer o trabalho dos artesãos, o IPÊ, viabilizou duas estufas secagem de sementes para as comunidades Agrovila do Tarumã, na RDS do Tupé, e Terra Preta, na RDS Puranga Conquista.

Na solenidade da entrega das estufas na Comunidade de Agrovila foram convidados os parceiros como a Secretaria de Estado do Trabalho (Setrab), Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas) e a Cooperativa do Artesanato Sustentável do Amazonas (Coopasam) para celebrar o desenvolvimento das ações voltadas para a promoção da cadeia produtiva do artesanato, no baixo Rio Negro.

O investimento surge um ano após o IPÊ promover uma capacitação em tingimento natural para os artesãos da região, o que influenciou diretamente na necessidade da máquina, uma vez que os trabalhadores passaram a desenvolver as técnicas adquiridas com instrutores da Cooperativa do Artesanato Sustentável do Amazonas (Coopasam). Um dos problemas que motivaram ainda mais a compra das estufas, foi a dificuldade que os mesmo estavam encontrando para secar a matéria-prima com qualidade e, também, a perda de material que muitas vezes atrapalhou o serviço.

Com a estufa, segundo o presidente da comunidade Agrovila, onde as máquinas foram entregue no último dia 1º de abril, o grupo de 17  mulheres artesãs, terá a oportunidade de também entrar no mercado para vender a matéria-prima tingida. “Nossa ideia é justamente conseguir vender nosso artesanato sem mofos, com qualidade e também conseguir ajudar nossos colegas ao vender a semente já tingida e bem seca”, conta ele.

Membro do grupo, a artesã Cristina de Oliveira, 60,  disse que antes de conseguir o equipamento, a secagem das sementes era feita em pequena quantidade em uma ‘estufa’ improvisada. Uma caixa de papelão com lâmpadas de 100 volts era a forma mais eficaz, no entanto, o perigo, colocava em risco a atividade. “Sempre ficávamos com medo de pegar fogo. Então, quando saíamos desligávamos e no fim a matéria-prima não estava bem seca. Tivemos dias em que fizemos todo  o trabalho, mas por não terem secado direito, as sementes ficaram cheias de mofo”, lembrou.

Artesãos participaram da entrega de estufas. Foto: IPÊ

Artesãos participaram da entrega de estufas. Foto: IPÊ

 

Oportunidades

Representando a Setrab, a gerente do Programa do Artesanato Amazonense, Cláudia Monteiro, falou da importância de dar aos artesãos a oportunidade de também fornecer a semente tingida. Segundo ela, um dos problemas que os trabalhadores do artesanato tem encontrado é justamente a falta do produto na região, o que leva, muitas vezes, à importância de cidades como Letícia, na Colômbia, e países como Venezuela e Peru. “Tem artesão comprando semente de fora porque aqui não está sendo produzida”, disse.

Quem também acompanhou a entrega foi o presidente da Coopasam, Gumercindo Souza Neto, 59. Para ele, a oportunidade é mais uma forma de colocar aproveitar o mercado “O mercado existe. E isso vai abrir mais portas a eles”, lembrou.

Carteira de Artesãos

Na ocasião, também foram entregues  as carteiras de artesãos, emitidas em mutirão promovido pelo IPÊ. Segundo Cláudia Monteiro, a carteira garante benefícios para os profissionais.  “Uma das vantagens é ser reconhecido, a carteira vale para isso também”, lembrou. Além disso, os artesãos podem participar de capacitações da Setrab, feiras e exposições e

A principal vantagem da Carteira Estadual é o acesso à Nota Fiscal Avulsa de Emissão Eletrônica (e-NFA) e a isenção do ICMS. Com a Nota Fiscal o artesão pode vender legalmente o seu produto para grandes clientes. Segundo Cláudia, a Nota Fiscal pode ser emitida pelo artesão em qualquer lugar, desde que o mesmo tenha um email.

Para solicitar a Carteira de Estadual de Artesão é necessário xerox de: RG, CPF, comprovante de residência e duas fotos 2×2, e levar alguns trabalhos prontos para fazer o teste de habilidade. Para o recadastramento é necessário a primeira carteira de artesão.

 

 

 Texto: Lívia Anselmo | Assessoria 

Related Posts

Tags

Share This

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>