Rede Tucumã define prioridades para 2015

15 Dec, 2014

Rede Tucumã define prioridades para 2015

Criada para fortalecer a produção e comercialização de produtos da agrobiodiversidade das comunidades da margem esquerda, a Rede Tucumã do Rio Negro definiu, em reunião realizada nos dias 10 e 11 de dezembro, quais serão as primeiras atividades a serem desenvolvidas no ano de 2015. O encontro também marcou o encerramento e avaliação do trabalho durante o ano de 2014, marcado pela fundação da associação.

Foram dois dias discussões sobre alternativas de mercado, infraestrutura da associação, cadastro de novos associados e questões como emissão de Declarações de Aptidão ao Pronaf (DAPs) e formalização de Organismo de Controle Social (OCS), que nortearam as decisões para o próximo ano.

Conduzido pela diretoria da associação junto com os pesquisadores do IPÊ Mariana Semeghini e Leonardo Kurihara, o encontro marcou um avanço. Para os primeiros meses de 2015 os produtores da associação já pretendem iniciar a comercialização para diferentes tipos de mercado, além de efetuar a compra do barco e a construção da sede, que será em uma área cedida da Comunidade Pagodão.

Com o estatuto em fase final para registro em cartório (informe passado aos participantes), a associação conta com 30 membros e já é vista pelos moradores do Baixo Rio Negro como a melhor iniciativa para ampliar a geração de renda da área.

O agricultor Amarildo Gomes Lopes, 58 anos, é um dos que acredita na união entre as comunidades. “O que nós estamos fazendo vai melhorar a vida de muitas famílias. Acho que o que faltava era a união que estamos propondo para o trabalho”, ressaltou.

A Rede Tucumã conta hoje com 30 produtores de 9 comunidades. Foto: IPÊ

A Rede Tucumã conta hoje com 30 produtores de 9 comunidades. Foto: IPÊ

Mercado

Há uma gama de possibilidades de mercado, no entanto, cada um se adéqua melhor a um produto e ao volume de produção. Conforme indicação do estudo da cadeia produtiva da agrobiodiversidade, destacam-se como oportunidades para os agricultores do Rio Negro a CONAB, Feira Orgânica e a Cooperativa de polpas de frutas na comunidade Nossa Senhora de Fátima.

Para falar do funcionamento e das vantagens desse mercado, o IPÊ contou com a presença de uma das fundadoras da Cooperativa AgroFrutas Tarumã, Daniele Serrão. A cooperativa beneficia frutas para a transformação em polpa e possui registro de inspeção sanitária federal do Ministério da Agricultura para as seguintes frutas: goiaba, caju, cupuaçu, graviola, abacaxi, taperebá, maracujá e manga, sendo . a maioria delas encontrada nas áreas do Baixo Rio Negro.

“O importante é mostrar a eles que existem instituições interessadas nessa compra em grande quantidade e que essa é uma forma de fazer com que eles não dependam de outros meios como vender o produto para atravessadores. Hoje esse meio só traz desvantagens a eles”, ressaltou Daniele. Segundo ela, a Cooperativa é uma alternativa viável tanto por via terrestre quanto fluvial o que diminuiria custos à associação.

Além de destacar a parceria com a Cooperativa como uma importante opção para a venda dos produtos já no começo do ano, a atividade lembrou ainda do contrato a ser firmado com Conab. De acordo com Mariana Semeghini, o contrato prevê a venda de frutas da região, principalmente do tucumã, já para o início do ano.

Durante a reunião, foram mostrados os documentos necessários para formalização do contrato e o ofício da Conab com indicação do preço de alguns produtos. Os agricultores se animaram com o preço da dúzia do tucumã, que está R$ 4,02, valor muito superior ao praticado na venda para atravessadores na região.

A participação constante da Feira Orgânica de Manaus, realizada todos os sábados, e demais feiras da cidade também serão alvos dos produtores. Alguns agricultores já experimentaram comercializar seus produtos na feira e avaliaram de forma positiva o resultado.

Infraestrutura

No final de novembro, foi realizada uma reunião de membros da diretoria da Rede onde foram definidas algumas prioridades para investimento em infraestrutura, onde se destacam a compra de uma barco, para o escoamento da produção, construção de uma sede da associação e de infraestrutura de produção de frutas desidratadas e açaí.

Quanto a embarcação, foi decidido comprar o “casco” de um barco de um dos agricultores da Rede que está na Comunidade Bela Vista do Jaraqui, terminar de construir e adquirir um motor. No encontro da Rede, foi feita uma reunião com o responsável pela construção para discutir o formato, materiais e orçamento, aproveitando o conhecimento em embarcações de alguns sócios.

Quanto a sede, ficou decidido que a o local para a construção será em uma área de 5.000 m² da Comunidade Pagodão, cedida pelo presidente da Rede Tucumã, José Coelho, mais conhecido como ‘Coloral’. A área terá a sede da associação, que será um espaço para reuniões e administração e será construída também uma infraestrutura para beneficiamento de frutas por uma despolpadeira e o secador de frutas.

De acordo com ‘Coloral’, a expectativa é que a área seja construída em janeiro, com o auxílio do IPÊ. “Vamos fazer um mutirão e cada uma vai ajudar no que puder. Assim poderemos concluir o mais rápido possível e trabalharmos naquilo que é nosso objetivo, comercialização dos nossos produtos”, disse.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>